recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    abril 2007
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

>Sérgio Ricardo

Posted by everbc em 06/04/2007

>

Sérgio Ricardo (João Mansur Lufti), compositor, cantor, instrumentista e cineasta, nasceu em Marília-SP, em 18/6/1932. Filho de um libanês que tocava alaúde, aos oito anos começou a estudar piano em conservatório e, pouco depois, a tocar em festas de amigos.

Aos 17 anos, mudou-se para São Vicente-SP, onde trabalhou na Rádio Cultura como discotecário, técnico de som e locutor. Ainda no litoral paulista, por pouco tempo, tocou piano na boate Recreio Prainha, de São Vicente.

Em 1952 mudou-se para o Rio de Janeiro, cursando o científico no Colégio Lafayette. Na mesma época, arranjou emprego numa boate em Copacabana, substituindo Tom Jobim, que ia trabalhar como arranjador na gravadora Continental. No meio musical do Rio de Janeiro, ficou conhecendo — além de Tom Jobim — Johnny Alf e João Gilberto.

Ainda nessa época, ingressou na E.N.M.U.B., onde estudou orquestração. Foi também nesse período que começou a compor e a cantar, continuando a tocar em boates. Ouvido pelo compositor Nazareno de Brito, foi convidado a gravar um 78 rpm e logo depois outro, com a toada de sua autoria Cafezinho. Mas seu primeiro sucesso foi gravado por Maysa em 1955, na RGE, o samba-canção Buquê de Isabel.

Mais tarde, numa viagem que fez a São Paulo, trabalhou como ator em televisão, obtendo relativa popularidade. Por essa época, integrou o grupo de músicos liderado por João Gilberto, que se reunia para discutir a bossa nova, no inicio do movimento. Em 1960 lançou o LP A bossa romântica de Sergio Ricardo, pela Odeon, participando também de vários shows de bossa nova, tournees e apresentações em televisão. Nessa época, seu maior sucesso foi a composição Pernas.

Pouco depois, começou a se afastar dos caminhos da bossa nova e lançou o samba Zelão, um de seus maiores êxitos. Iniciou então seu primeiro filme, O menino da calça branca, curta- metragem feito com Nelson Pereira dos Santos. Terminado em fins de 1961, o filme representou o Brasil no festival de cinema de San Francisco, EUA, em 1962, obtendo o segundo lugar. De San Francisco, foi para New York, participando do Festival da Bossa Nova, no Carnegie Hall.

Permaneceu nos EUA ainda algum tempo, cantando em boates. Retornou ao Brasil em 1963, quando fez o longa-metragem Esse mundo é meu (montagem de Rui Guerra), com músicas de sua autoria, que teve grande repercussão. No mesmo ano, compôs e fez os arranjos da trilha sonora do filme Deus e o Diabo na terra do Sol (Gláuber Rocha), lançada depois em LP de mesmo nome, pela gravadora Forma. No mesmo ano, gravou o LP Um senhor talento, pela Elenco.

Em 1964, produziu para o governo do Líbano o filme O pássaro da aldeia, media-metragem rodado naquele país. De volta ao Brasil, no ano seguinte fez o show Esse mundo é meu, com roteiro e direção de Chico de Assis. Ainda em 1965, compôs a trilha sonora para o filme Terra em transe (Gláuber Rocha) e fez as músicas da peça O coronel de Macambira (Joaquim Cardoso). Dois anos depois gravou na Philips o LP A grande música de Sergio Ricardo e participou de vários festivais.

Por ocasião do II FMPB, da TV Record, de São Paulo, em 1967, inscreveu sua música Beto bom de bola. Classificada para a final, debaixo de vaias, não conseguiu apresenta-la, acabando por quebrar seu violão e atira-lo sobre o público, sendo desclassificado. Participou ainda de outros festivais, como a Bienal do Samba e promoções da TV Excelsior, do Rio de Janeiro, e TV Record. Tomou parte também no Festival da Canção de Protesto, realizado na Bulgária, onde duas composições suas foram interpretadas por Geraldo Vandré.

Em 1968 realizou, no Teatro de Arena, de São Paulo, o show Sergio Ricardo e a praça do povo, feito com Chico de Assis e dirigido por Augusto Boal. No mesmo ano, escreveu o roteiro musical para O auto da compadecida, peça de Ariano Suassuna.

Em 1969 completou a filmagem de Juliana do amor perdido, com Roberto Santos, que estreou no ano seguinte. Gravou um novo LP, Arrebentação, pela Equipe, em 1970, e, depois, pela Continental, Sérgio Ricardo (1973), A noite do espantalho (1974), trilha sonora de seu filme de mesmo nome, rodado em Nova Jerusalem PE e Do lago e cachoeira (1979).

Apresentou-se em 1980 no festival de Varadero, em Cuba, com Chico Buarque lançando no mesmo ano, pela Continental, um LP com Geraldo Vandré. Em 1983 compôs e fez arranjos para o cordel de Carlos Drummond de Andrade, Estória de João-Joana, sendo a obra gravada pela Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

De 1983 a 1988 escreveu, dirigiu e compôs a trilha musical de vários filmes de curta-metragem (Traço e cor, Dançando Villa-Lobos, o único no qual nao compôs a parte musical, Voz do poeta, com Ferreira Gullar, O espetáculo continua).

Lançou em 1991 o livro Quem quebrou meu violão (Record, Rio de Janeiro), análise da cultura brasileira nas décadas de 1940 a 1990. No mesmo ano, foi realizada a Semana Sérgio Ricardo, com apresentação de seus filmes, pinturas, discos, livros e espetáculos, no MIS de São Paulo.

Em 1994 fez shows em Lisboa, Portugal, onde gravou um disco com musicas africanas, portuguesas e brasileiras. Apresentou-se também em Angola e Guiné Bissau, Em 1996 ganhou o Prêmio Candango, no Festival de Brasília DF, pela trilha sonora do filme O lado certo da vida errada, de Otavio Bezerra. Em 1996 compôs a trilha sonora da minissérie Zumbi dos Palmares e, em 1997, da novela Mandacaru, ambas exibidas pela TV Manchete.

Fonte: Enciclopédia da Música Brasileira – Art Editora
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: