recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    junho 2007
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

    Esther de Abreu, o Rouxinol de Coimbra

    Neusa Maria, a Rainha do Jingle

    Nora Ney, a Iracema da Voz de Mel

    Carmélia Alves, a Rainha do Baião

    Adelaide Chiozzo provoca desastres ...

    Ângela Maria, a Revelação de 1952

    Zé da Conceição

    Minha palhoça

    Juracy

    Gago apaixonado

    Mais fotos

>Sérgio Bittencourt

Posted by everbc em 02/06/2007

>

Sérgio Bittencourt, compositor / jornalista, filho de Jacob do Bandolim, nasceu em 1941 no Rio de Janeiro e faleceu na mesma cidade em 09/07/1979. Cresceu cercado pelas rodas de choro de seu pai e de seus grandes amigos chorões. Aos 18 anos, saiu da casa dos pais. Lutou desde a infância contra as seqüelas da hemofilia. Faleceu aos 38 anos de um enfarte.

Como jornalista, desenvolveu estilo de crítica duro e desaforado. Como pessoa, no entanto, era um sentimental. Trabalhou em vários órgãos de imprensa cariocas, os jornais Correio da Manhã, O Globo, e O Fluminense, e na Revista Amiga, em rádio, atuou nas Rádios Capital, Carioca, no Rio de Janeiro, e Mulher, de São Paulo.

Atuou também como jurado dos famosos programas de calouros da TV, “Um instante, Maestro!”, “A Grande Chance” e “Programa Flávio Cavalcanti”, todos apresentados por Flávio Cavalcanti. Apresentou na Rádio Nacional o programa “Fim de noite”, posteriormente levado ao ar na Rádio Mauá.

Teve sua primeira composição gravada em 1965, “Estrelinha”, na voz de Eliana Pittman. Em 1966, classificou-se em quarto lugar no II Festival da Música Brasileira, na TV Record, com a música “Canção de não cantar”, interpretada pelo conjunto MPB4. Em 1968, foi vencedor do festival “O Brasil canta o Rio”, com a música “Modinha“, interpretada pelo cantor Taiguara. Essa música seria ainda regravada por Nelson Gonçalves, Carlos José, Waleska , e Tito Madi, entre outros. Nesse ano, Waleska regravou “Estrelinha”. No I Festival Internacional da Canção, classificou a música “Canção a medo”, na interpretação do MPB-4 e do Quarteto em Cy.

Em 1970, sua música “Acorda, Alice” foi proibida pela censura da ditadura militar devido ao verso “Acorda, Alice/Que o país das maravilhas acabou”. Posteriormente, com a abertura política, foi gravada por Waleska.

Em 1971, apresentou-se com Ataulpho Alves Junior e Waleska em show na boate Fossa, no Rio de Janeiro. Entre os diversos shows que apresentou está “Vamos falar de muito amor”, que contou com as participações de Ribamar, Waleska, Mano Rodrigues e Márcia de Windsor.

Seu grande sucesso foi “Naquela mesa“, comovida homenagem póstuma ao seu pai Jacob, gravado por Elisete Cardoso em seu LP “Preciso aprender a ser só”, de 1972, pela Copacabana, música que ganharia não só outras gravações posteriores como seria incorporada ao repertório informal de seresteiros, boêmios e amantes da MPB. Entre os diversos intérpretes que regravaram “Naquela mesa” estão Nelson Gonçalves e Paul Mauriat.

Outra de suas composições que recebeu várias regravações foi “Eu quero”, registrada por Cláudio Faissal, Nelson Gonçalves, Carlos José, Waleska e Elymar Santos. Como jurado de TV, fazia questão de deixar clara sua proposta de defender a música brasileira, marcando publicamente uma linha nacionalista.

Fonte: Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: