recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    agosto 2007
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

Flor do mal

Posted by everbc em 06/08/2007

O poeta Domingos Correia suicidou-se no dia 6 de maio de 1912, bebendo um copo do desinfetante Lisol, numa casa de chope no Rio de Janeiro. Antes, porém, perpetuou nos versos da canção “Flor do Mal” o motivo do suicídio: sua paixão não correspondida por Arminda Santos, uma jovem pernambucana que então iniciava carreira artística nos palcos da cidade.
“Oh! Eu me recordo ainda / desse fatal dia / em que tu me disseste, Arminda, / indiferente e fria / eis do meu romance o fim…”. Como não era compositor, fez esses versos tristíssimos em cima da melodia, mais triste ainda, de “Saudade Eterna”, uma valsa do violonista Santos Coelho, autor de um método de guitarra portuguesa, muito usado na época.
Tendo recebido em 1909 a letra de Catulo da Paixão Cearense (sob o título de “Ó como a saudade dorme num luar de calma”). “Saudade Eterna” era apenas razoavelmente conhecida, tornando-se grande sucesso ao transformar-se em “Flor do Mal”, talvez até pelo impacto da tragédia.
Segundo o historiador Ary Vasconcelos (em Panorama da música popular brasileira na belle époque), Domingos Correia “era branco, baixo e tinha uma. cabeça enorme”, o que lhe valeu o apelido de Boneco nos meios boêmios onde “bebia e cantava com voz possante”. Com tal figura, era mesmo tarefa impossível ao Boneco conquistar a bela Arminda.
Flor do mal (Saudade eterna)——- clique para ouvir amostra da música
valsa – 1912 – Domingos Correia / Santos Coelho
Oh ! Eu me recordo ainda, / Deste fatal dia… / Em que tu me disseste, Arminda, / Indiferente e fria.
– Eis do meu romance o fim! / – Senhor! / – Basta! / – Esquece-te de mim, / Amor.
Por que? / Não procures indagar, / A causa ou a razão?
Por que? / Eu não te posso amar? / Oh ! Nunca quis não, / Será fácil te esquecer. / Prometo, / Oh! minha flor, / Não mais ouvir falar de amor.
Eu! / Hipócrita! / Fingido coração! / De granito… / Ou de gelo… / Maldição…
Ah! / Espírito satânico! / Perverso! / Titânico chacal… / Do mal… / Num lodaçal imerso…
Sofrer! / Quanto tenho sofrido! / Sem ter uma consolação! / O Cristo também foi traído! / Por que? / Não posso ser então… / Oh, Não !
Que importa, / O meu sofrer ferino… / Das coisas é ordem natural! / Seguindo o meu destino, / Chamar-te-ei, eternamente, / A Flor do Mal.
Sofrer! / Quanto tenho sofrido! / Sem ter uma consolação! / O Cristo também foi traído! / Por que? / Não posso ser então… / Oh, Não!
Que importa, / O meu sofrer ferino… / Das coisas é ordem natural! / Seguindo o meu destino, / Chamar-te-ei, eternamente, / A Flor do Mal….
Fonte: A Canção no Tempo – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: