recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    janeiro 2009
    S T Q Q S S D
    « jan   fev »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

    Zé da Conceição

    Minha palhoça

    Juracy

    Gago apaixonado

    Faustina

    Conversa de botequim

    Sobre as músicas que não tocam mais ...

    Aí é que são elas

    Nosso Sinhô do Samba - Parte 9

    Ouvindo Alda Verona

    Mais fotos

Ruy Rey

Posted by everbc em 29/01/2009

O cantor e compositor Ruy Rey (Domingos Zeminian) nasceu em São Paulo-SP em 04/01/1915, e faleceu no Rio de Janeiro-RJ em 26/03/1995. Começou como crooner no conjunto dos Irmãos Copia, em São Paulo. Foi contratado pela Rádio Tupi (SP) atuando também no cabaré OK, com a Orquestra de J. França.

Em 1944, foi para o Rio de Janeiro, trabalhando como cantor da Rádio Nacional, conseguindo o horário de meio-dia e meia, logo após o programa de Francisco Alves de grande audiência, conseguindo projetar seu nome. Mas foi em 1948, quando ele teve a idéia de formar a Ruy Rey e sua Orquestra, especialista em ritmos latinos, que sua carreira deslanchou.

No mesmo ano, teve a sorte de estourar com a marchinha carnavalesca, A mulata é a tal (João de Barro e Antônio Almeida), apesar de nada ter a ver com a “latinidad” que o celebrizou. O sucesso o animou a adaptar sua orquestra aos ritmos brasileiros, como o samba e a marchinha, durante o carnaval. Fora dessa época, cantava mais em espanhol.

Em 49, gravou sua primeira composição, Nana (com Rutinaldo Silva), mas antes disso já havia gravado La bamba, dez anos antes da versão clássica de Ritchie Vallens. Atuou em filmes da Atlântida, como Carnaval no Fogo (49), Aviso aos Navegantes (50) e O Petróleo É Nosso (54), dirigidos por Watson Macedo.

Nos anos 50, rivalizou com o argentino Gregorio Barrios a preferência dos brasileiros nas interpretações de boleros e canções latinoamericanas. Celebrizou-se com as versões da rumba Zé Betum, os mambos Cao cao mani picão, Mambo jambo, o porro Cubanita chiquietita, o chá-chá-chá Torero, os boleros Camino verde e Ansiedad, além de Bailando la cucaracha.

Em 1968, desfez sua orquestra e retirou-se da cena artística.

Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira – Art Editora; CliqueMusic.

Anúncios

Uma resposta to “Ruy Rey”

  1. Canela said

    Excelente arquivo! Vou indica-los no Diário Salseiro. Caso tenham mais alguma raridade como estas na história da musica latinoamericana com protagonistas brasileiros, por favor nos indique! Pois merecem ser divulgados às novas gerações!
    Abraços de
    Canela

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: