recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    maio 2017
    S T Q Q S S D
    « maio    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

    Carmélia Alves, a Rainha do Baião

    Adelaide Chiozzo provoca desastres ...

    Ângela Maria, a Revelação de 1952

    Zé da Conceição

    Minha palhoça

    Juracy

    Gago apaixonado

    Faustina

    Conversa de botequim

    Sobre as músicas que não tocam mais ...

    Mais fotos

Archive for the ‘bossa nova’ Category

Wanda Sá

Posted by everbc em 13/04/2010

Fã de primeira hora da bossa nova, Wanda Sá, uma paulista convertida a carioca desde a mais tenra idade, matriculou-se aos 13 anos na academia de violão de Roberto Menescal. Descoberta por Ronaldo Bôscoli, participou de programas de televisão como Dois no Balanço (TV Excelsior) e O Fino da Bossa (TV Record).

Aos 19 anos, lançou Inútil paisagem (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira). Neste primeiro disco, Wanda Vagamente (1964), produzido por Menescal, apareceu em todas as estações de rádio com Vagamente (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli). Poucos meses depois, partiu com o Brasil 65, grupo de Sérgio Mendes que tinha ainda Jorge Ben e Rosinha de Valença, para apresentar-se no circuito universitário dos Estados Unidos.

Cantou numa boate em Los Angeles e foi vista por Dave Cavanaugh, produtor de Nat King Cole e Frank Sinatra. Wanda pulou das mãos de Sérgio para as de Cavanaugh e gravou três discos nos Estados Unidos, dois com a Brasil 65 e o solo, Softly.

Na volta ao Brasil, fez shows com Baden Powell, Vinícius de Moraes, Mièle e Luís Carlos Vinhas e o Bossa 3. Em 1969, gravou com Paul Desmond em seu disco “Hot Summer”, em Nova Iorque.

Foi casada durante 12 anos com Edu Lobo, tempo em que dedicou-se mais a ser mãe e a dar aulas de violão do que a cantar. No fim dos anos 80, reencontrou profissionalmente o ex-professor de violão Roberto Menescal, voltou à cena artística.

Além de shows ao lado de Menescal e Mièle, gravou em 1994 o disco Brasileiras, ao lado de Celia Vaz. No ano seguinte lançou Eu e a Música com Menescal. Wanda Vagamente vem fazendo sucesso no Japão e chegou ao segundo lugar na parada de world music.

Fez shows em homenagem a Tom Jobim, Vinícius de Moraes, e cantou ao lado de diversos músicos. Apresentou-se em Angola numa caravana de 36 artistas, entre eles Chico Buarque e Djavan.

Paralelamente, enveredou pelos cânticos religiosos e participou de shows como Jesusmania, no Morro da Urca, em 1986.

Fonte: Rio de Janeiro – Cariocas

Posted in bossa nova, wanda sa | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Bossa 3

Posted by everbc em 13/04/2010

Bossa 3

Bossa 3 – Trio formado em 1961 (Luís Carlos Vinhas, piano; Tião Neto, substituído mais tarde por Octávio Bailly Jr., baixo; Edison Machado, substituído por Chico Batera e depois por Ronie Mesquita, bateria) nos arredores do Beco das Garrafas, berço da bossa nova, derivou do quinteto Samba 5, que passou a Samba 3 e finalmente Bossa 3.

As primeiras apresentações do trio foram com os bailarinos Lennie Dale, Joe Benett e Martha Botelho, convidados para uma apresentação no Ed Sullivan Show, então um dos programas de maior audiência da televisão norte-americana.

O grupo permaneceu ainda por algum tempo nos Estados Unidos, onde se apresentou em diversos clubes de jazz. O grupo se desfez de sua formação brasileira e o pianista Luis Carlos Vinhas, o único que voltou ao Brasil, refez o conjunto, com outra formação.

Gravaram mais cinco discos, excursionando por países da América Latina.

Fonte: Rio de Janeiro – Cariocas

Posted in bossa nova, conjunto | Leave a Comment »

Sérgio Mendes

Posted by everbc em 13/04/2010

Sérgio Santos Mendes, instrumentista, arranjador e regente, nasceu em Niterói (RJ), em 11/2/1941. Um dos músicos brasileiros mais celebrados no exterior estudou piano desde criança, passando na juventude do clássico para o jazz.

No início dos anos 60 passou a se apresentar em jam-sessions de casas noturnas cariocas, especialmente no Beco das Garrafas, participou de festivais de jazz e liderou o Brazilian Jazz Sextet (chegando a gravar como o jazzista Cannonball Adderley) e mais tarde o Sexteto Bossa Rio, com quem se apresentou no Festival de Bossa Nova no Carnegie Hall, em Nova York, em 1962.

O disco do grupo Sergio Mendes & Bossa Rio, de 1964, com arranjos de Tom Jobim, é considerado básico no instrumental da bossa nova. Ainda nos anos 60 excursionou por vários países com outros conjuntos até formar o Brazil 66, que gravou discos e fez turnês com muito sucesso.

O disco Herb Alpert Presents Sergio Mendes & Brazil 66 vendeu mais de um milhão de cópias, com o sucesso Mas que nada de Jorge Ben, chegando aos primeiros lugares das paradas de sucessos norte-americanas.

Tocou na Casa Branca em 1967 e gravou muitos discos, individuais ou com os conjuntos que montou, sempre mesclando bossa nova, jazz e ritmos brasileiros populares, instrumentistas brasileiros e estrangeiros, e músicas como Ponteio (Edu Lobo/ Capinam) e A banda (Chico Buarque).

Em 1993 ganhou o prêmio Grammy.

Fontes: Enciclopédia da Música Brasileira – Art Editora e PubliFolha; Rio de Janeiro – Cariocas.

Posted in bossa nova, instrumentista | Leave a Comment »