recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    maio 2017
    S T Q Q S S D
    « maio    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

    O cantor das Graças de Iemanjá

    Mary Gonçalves: Ela ama a vida e é amada por todos ...

    Esther de Abreu, o Rouxinol de Coimbra

    Neusa Maria, a Rainha do Jingle

    Nora Ney, a Iracema da Voz de Mel

    Carmélia Alves, a Rainha do Baião

    Adelaide Chiozzo provoca desastres ...

    Ângela Maria, a Revelação de 1952

    Zé da Conceição

    Minha palhoça

    Mais fotos

Archive for the ‘festivais da mpb’ Category

Sidney Miller

Posted by everbc em 16/01/2008

Sidney Miller (Sidney Álvaro Miller Filho), compositor, nasceu e faleceu no Rio de Janeiro- RJ ( 18 de Abril de 1945 – 16 de Julho de 1980). Natural de Santa Teresa despontou como compositor no cenário musical brasileiro durante a década de 1960, participando com algum destaque em festivais da Música Popular Brasileira.

Cursou Sociologia e Economia, porém sem concluir nenhum dos cursos. No início da carreira chegou a ser comparado com o também estreante Chico Buarque, uma vez que tinham em comum, além da timidez, a temática urbana e um especial cuidado na construção das letras.

Além disso, a cantora Nara Leão, famosa por revelar novos compositores, teve grande importância na estréia dos dois – inclusive gravando, em 1967, o disco Vento de Maio, no qual dividiam quase todo o repertório: Chico Buarque assinou quatro canções, enquanto Sidney Miller era o autor de outras cinco.

O primeiro registro importante como compositor foi em 1965 no I Festival de Música Popular Brasileira da TV Excelsior (SP), obtendo o 4º lugar com a música Queixa, composta em parceria com Paulo Thiago e Zé Keti, interpretada por Ciro Monteiro.

Em 1967 pelo famoso selo Elenco de Aloysio de Oliveira lançou o primeiro disco, na qual se destaca por retrabalhar temas populares e cantigas de roda como Circo, Passa passa gavião, Marré-de-cy e Menina da agulha.

Sidney Miller compôs juntamente com Théo de Barros, Caetano Veloso e Gilberto Gil a trilha sonora para a peça Arena conta Tiradentes, dos dramaturgos Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri. Nesse mesmo ano, ao lado de Nara Leão interpretou a música A Estrada e o violeiro no III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record (SP), conquistando o prêmio de melhor letra.

Em 1968, também pelo selo Elenco lançou o Lp Brasil, do Guarani ao Guaraná, que contou com as participações especiais de diversos artistas como Paulinho da Viola, Gal Costa, Nara Leão, MPB-4, Gracinha Leporace, Jards Macalé, entre outros. O maior destaque do disco ficou por conta toada Pois é, pra quê.

A partir de então Sidney Miller intensificou a carreira na área de produção. Juntamente com Paulo Afonso Grisolli organizou no Teatro Casa Grande (RJ) o espetáculo Yes, nós temos Braguinha, com o compositor João de Barro. Também com Grisolli, relançou a cantora Marlene, no show Carnavália, que fez bastante sucesso.

Em 1969 produziu e criou os arranjos do Lp de Nara Leão Coisas do Mundo. Ainda em 69, ao lado de Paulo Afonso Grisolli, Tite de Lemos, Luís Carlos Maciel, Sueli Costa, Marcos Flaksmann e Marlene organizou o espetáculo Alice no País do Divino Maravilhoso, além de compor a trilha sonora do filme Os Senhores da Terra, do cineasta Paulo Thiago. Também para cinema, Sidney Miller foi o autor da trilha dos filmes Vida de Artista (1971) e Ovelha Negra (1974), ambos dirigidos por Haroldo Marinho Barbosa.

Sidney Miller foi autor da trilha sonora das peças Por mares nunca dantes navegados (1972), de Orlando Miranda, na qual musicou alguns sonetos de Camões, e do espetáculo a A torre em concurso (1974), de Joaquim Manuel de Macedo.

Em 1974 lançou pela Som Livre o último disco de carreira o Lp Línguas de Fogo. Nos últimos anos de vida Sidney Miller estava afastado do circuito comercial. Tinha planos de voltar a gravar, agora de forma independente, um Lp que se chamaria Longo Circuito. Trabalhava na Funarte, quando morreu prematuramente aos 35 anos. A sala em que trabalhava passou a se chamar Sala Funarte Sidney Miller e foi transformada num teatro.

Algumas cifras e letras: A estrada e o violeiro, Alô fevereiro, Circo, É isso aí, Ora, acho que vou me embora.

Fonte: Wikipédia

Posted in festivais da mpb | Etiquetado: | Leave a Comment »

Capinam

Posted by everbc em 13/12/2007

Capinam (José Carlos Capinam) nasceu em Esplanada, Bahia, e é considerado um dos grandes letristas de sua geração, tendo participado ativamente do movimento tropicalista no fim da década de 60. Poeta desde a adolescência, mudou-se para Salvador aos 19 anos, onde iniciou o curso de Direito, na Universidade Federal da Bahia.

Militante fervoroso do CPC da UNE, fez logo amizade com Caetano Veloso e Gilberto Gil, na época cursando, respectivamente, as faculdades de Filosofia e de Administração de Empresas.

Com o golpe militar, em 1964, é forçado a deixar Salvador e vai morar em São Paulo, onde inicia os primeiros poemas de seu livro de estréia, Inquisitorial. Alguns anos depois, volta à capital baiana, desta vez para fazer Medicina, profissão que chega a exercer por algum tempo.

Paralelamente, intensifica o seu trabalho como poeta e participa do primeiro disco de Gilberto Gil, em 1966, dividindo a parceria na faixa Viramundo. No mesmo ano, sua música Canção para Maria, defendida e composta em parceria com Paulinho da Viola, é um dos destaques do II Festival de Música da Record, obtendo a terceira colocação.

Torna-se um dos mais assediados letristas da época e vence com Edu Lobo o Festival da Record de 1967, com a canção Ponteio. Volta a se aproximar de seus conterrâneos – compõe com Gil o clássico Soy loco por ti, América, e integra o histórico disco Tropicália (68), ao lado de Caetano, Gil, Mutantes, Gal Costa, Tom Zé, Rogério Duprat e Torquato Neto.

Não diminui o seu ritmo como letrista e segue dividindo parcerias com grandes nomes da música, como Jards Macalé (em Gotham City, vaiadíssima no IV Festival Internacional da Canção de 1969), Fagner (em Como se Fosse) e Geraldo Azevedo (em For All Para Todos).

Em 2000, compôs a ópera Rei Brasil 500 Anos ao lado de Fernando Cerqueira e Paulo Dourado, uma crítica as comemoração dos 500 anos de Descobrimento do Brasil, e dividiu parceria nos novos discos de Tom Zé (em Perisséia) e de Sueli Costa (em Jardim).

Fonte: CliqueMusic.

Posted in festivais da mpb, poeta | Etiquetado: | Leave a Comment »

Festivais da MPB – Finalistas

Posted by everbc em 22/10/2007

elis reg2
Elis Regina interpretando “Arrastão” de Edu Lobo e Vinícius.

1º FESTIVAL NACIONAL DA MPB
TV Excelsior (abril, 1965).

1º – Arrastão, de Edu Lobo e Vinícius de Moraes, com Elis Regina.
2º – Valsa do Amor que Não Vem, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, com Elisete Cardoso.
3º – Eu só Queria Ser, de Vera Brasil e Miriam Ribeiro, com Claudete Soares.
4º – Queixa, de Sidney Miller, Zé Kéti e Paulo Tiago, com Ciro Monteiro.
5º – Rio do meu amor, de Billy Blanco, com Wilson Simonal.

2º FESTIVAL NACIONAL DA MPB
TV Excelsior (junho, 1966).

1º – Porta-estandarte, de Geraldo Vandré e Fernando Lona, com Tuca e Aírto Moreira.
2º – Inaê, de Vera Brasil e Maricene Costa, com Nilson.
3º – Chora Céu, de Adilson Godoy e Luiz Roberto, com Cláudia.
4º – Cidade Vazia, de Baden Powell e Lula Freire, com Milton Nascimento.
5º – Boa Palavra, de Caetano Veloso, com Maria Odete.

1° FESTIVAL DA MPB
TV Record (novembro-dezembro, 1960)

1º – O Pescador, de Newton Mendonça.

2º FESTIVAL DA MPB
TV Record (setembro-outubro, 1966)

1º – A banda, de Chico Buarque, com Chico Buarque e Nara Leão; Disparada, de Geraldo Vandré e Théo de Barros, com Jair Rodrigues e Quarteto Novo.
2º – De amor ou paz, de Adauto Santos e Luiz Carlos Paraná, com Elza Soares.
3º – Canção para Maria, de Paulinho da Viola e Capinan, com Jair Rodrigues.
4º – Canção de Não Cantar, de Sérgio Bittencourt, com MPB-4.
5° – Ensaio Geral, de Gilberto Gil, com Elis Regina.

3º FESTIVAL DA MPB
TV Record (outubro, 1967)

1º – Ponteio, de Edu Lobo e Capinan, com Edu Lobo e Marília Medalha, Quarteto Novo e Momento Quatro.
2º – Domingo no parque, de Gilberto Gil, com Gilberto Gil e Os Mutantes.
3º – Roda viva, de Chico Buarque, com Chico Buarque e MPB-4.
4º – Alegria, alegria, de Caetano Veloso, com Caetano Veloso e Beat Boys.
5º – Maria, carnaval e cinzas, de Luiz Carlos Paraná, com Roberto Carlos.

4° FESTIVAL DA MPB
TV Record (novembro-dezembro, 1968)

1º – São São Paulo, Meu Amor, de Tom Zé, com Tom Zé.
2° – Memórias de Marta Sare, de Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri, com Edu Lobo e Marília Medalha.
3º – Divino maravilhoso, de Gilberto Gil e Caetano Veloso, com Gal Costa.
4° – Dois Mil e Um, de Rita Lee e Tom Zé.
5º – Dia da Graça, de Sérgio Ricardo, com Sérgio Ricardo e Modern Tropical Quintet.

5° FESTIVAL DA MPB
TV Record (novembro, 1969)

1º – Sinal fechado, de Paulinho da Viola, com Paulinho da Viola.
2º – Clarisse, de Eneida e João Magalhães, com Agnaldo Rayol.
3º – Comunicação, de Hélio Matheus e Edson Alencar, com Vanusa.
4º – Gostei de Ver, de Eduardo Gudin e Marco Antônio da Silva Ramos, com Márcia e Os Originais do Samba.
5º – Monjolo, de Dina Galvão Bueno e Eric Nepomuceno, com Maria Odete.

BIENAL DO SAMBA
TV Record (maio, 1968)

1º – Lapinha, de Baden Powell e Vinícius de Moraes, com Elis Regina.
2º – Bom tempo, de Chico Buarque, com Chico Buarque e MPB-4.
3º – Pressentimento, de Elton Medeiros e Hermínio Bello de Carvalho, com Elza Soares.

I FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(outubro, 1966)

1º – Saveiros, de Dori Caymmi e Nelson Mota, com Nana Caymmi.
2º – O Cavaleiro, de Tuca e Geraldo Vandré, com Tuca.
3º – Dia das Rosas, de Luiz Bonfá e Maria Helena Toledo, com Maysa.

II FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(setembro, 1967)

1º – Apareceu a Margarida, de Gutemberg Guarabira, com Gutemberg Guarabira e Grupo Manifesto.
2º – Travessia, de Milton Nascimento e Fernando Brant, com Milton Nascimento.
3º – Carolina, de Chico Buarque, com Cynara e Cybele.
4º – Fuga e Antifuga, de Edino Krieger e Vinícius de Moraes, com Conjunto 004 e As Meninas.
5º – São os do Norte que Vêm, de Capiba e Ariano Suassuna com Claudionor e Germano.

III FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(setembro, 1968)

1º – Sabiá, de Tom Jobim e Chico Buarque, com Quarteto em Cy.
2º – Prá não dizer que não falei das flores, de Geraldo Vandré, com Geraldo Vandré.
3º – Andança, de Edmundo Souto, Danilo Caymmi e Paulinho Tapajós, com Beth Carvalho e Golden Boys.
4º – Passacalha, de Edino Krieger, com Grupo 004.
5º – Dia da Vitória, de Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle, com Marcos Valle.

IV FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(setembro, 1969)

1º – Cantiga por Luciana, de Edmundo Souto e Paulinho Tapajós, com Evinha.
2º – Juliana, de Antônio Adolfo e Tibério Gaspar, com A Brazuca.
3º – Visão Geral, de César Costa Filho, Ruy Maurity e Ronald Monteiro, com César Costa Filho e Grupo 004.
4º – Razão de Paz para não Cantar, de R. Laje e Aléssio Barros com Cláudia.
5º – Minha Marisa, de Fred Falcão Medeiros, com Golden Boys.

V FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(1970)

1º – BR-3, de Antônio Adolfo e Tibério Gaspar, com Tony Tornado.
2º – O amor é o meu país, de Ivan Lins e Ronaldo Monteiro com Ivan Lins.
3º – Encouraçado, de Sueli Costa e Tite Lemos.
4º – Um abraço terno em você, viu mãe, de Gonzaguinha, com Luiz Gonzaga Júnior.
5° – Abolição 1860/1960, de Dom Salvador e Arnaldo Medeiros com Luiz Antônio e Maria.

VI FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(1971)

1º – Kyrie, de Paulinho Soares e Marcelo Silva, com Evinha.
2º – Karany Karanauê, de José de Assis e Diana Camargo, com Trio Ternura.
3º – Desacato, de Antônio Carlos e Jocafi, com Antônio Carlos e Jocafi.
4º – Canção pra Senhora, de Sérgio Bittencourt, com O Grupo.
5º – João Amém, de W. Oliveira e Sérgio Mateus, com Sérgio Mateus.

VII FIC – FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃO
(1972)

1º – Fio Maravilha, de Jorge Ben, com Maria Alcina.
2º – Diálogo, de Baden Powell e Paulo César Pinheiro, com Cláudia Regina e Tobias.

FESTIVAL 79
TV Tupi (1979)

1º – Quem me levará sou eu, de Fagner e Dominguinhos, com Fagner.
2º – Canalha, de Walter Franco, com Walter Franco.
3º – Bandolins, de Oswaldo Montenegro, com Oswaldo Montenegro e José Alexandre.

FESTIVAL DOS FESTIVAIS
TV Globo (1985)

1º – Escrito nas estrelas, de Carlos Rennó e Arnaldo Black, com Tetê Espíndola.
2º- Mira Ira, de Lula Barbosa e Vanderley de Castro, com Lula Barbosa, Mina Myrá, Grupo Tarancón e Placa Luminosa.
3°- Verde, de Eduardo Codin e José Carlos Costa Nesto; com Leila Pinheiro.

FESTIVAL DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA
TV Globo (2000)

1º – Tudo bem, Meu bem, de Ricardo Soares, com Ricardo Soares.
2º – Morte no Escadão, de José Carlos Guerreiro, com Tianastácia.
3º – Tempo das Águas, de Valmir Ribeiro, com Bilora.
Melhor intérprete — Ná Ozzetti, que interpretou Show, de Luiz Tatit e Fábio Tagliaferri.

Posted in artigo, festivais da mpb | Leave a Comment »