recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    setembro 2017
    S T Q Q S S D
    « maio    
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

Archive for the ‘humorista’ Category

José Vasconcelos

Posted by everbc em 06/01/2008

José Vasconcelos (José Tomás da Cunha Vasconcelos Neto), humorista e ator, nasceu em Rio Branco, Acre, em 20 de março de 1926. Estreou profissionalmente no programa de rádio Papel Carbono de Renato Murce (1941).

Tornou-se célebre por fazer imitações perfeitas das vozes de outros locutores, como a imitação de Ary Barroso apresentando um programa de calouros. Imitava, também, Theófilo de Vasconcelos, Lauro Borges e Castro Barbosa, dentre muitos outros.

Estreou no cinema em Este Mundo é um Pandeiro (1947). Destaca-se no teatro e TV do Brasil e de Portugal. Produziu e atuou no primeiro programa humorístico da televisão brasileira, A Toca do Zé, exibido pela TV Tupi de São Paulo em 1952.

Em 1960, gravou um disco pela Odeon, Eu Sou o Espetáculo, sendo provavelmente o primeiro humorista a vender mais de 100 mil cópias de um LP do gênero. Seu sucesso abriu caminho para que outras gravadoras investissem no segmento, mas o próprio Vasconcelos não conseguiu repetir o êxito de sua primeira gravação.

Em 1964, ao visitar a Disneylândia, em Los Angeles, José Vasconcelos teve a idéia de construir a “Vasconcelândia”, uma cidade infantil, numa área de um milhão de metros quadrados, no município de Guarulhos, SP. Tratou-se de um audacioso, no qual ele investiu, por mais de 10 anos, todos recursos que obteve em mais de vinte anos de carreira. Não obteve nenhum apoio oficial – a proposta que fez a Embratur até hoje permaneceu engavetada.

Com recursos próprios, fez terraplanagem do local, construiu restaurante, administração, um parque de diversões e o projeto de cine drive-in. Buscou apoio com poderosos grupos empresariais – especializados na realização de feiras populares – oferecendo sociedade em sua projetada Vasconcelândia, mas não obteve sucesso. O projeto quase o levou à falência e foi abandonado para enorme tristeza do humorista.

Continuou trabalhando na TV, em papéis como o do gago “Rui Barbosa Sa-Silva” na Escolinha do Professor Raimundo, além de se apresentar em casas de espetáculos por todo o Brasil.

José Vasconcelos conta histórias de bichos

Fontes: Wikipédia, Astros e Estrelas do Cinema Brasileiro, MIllarch.

Anúncios

Posted in ator, humorista | Etiquetado: | Leave a Comment »

Chico Anísio

Posted by everbc em 19/12/2007

Chico Anísio (Francisco Anísio de Oliveira Paula Filho), humorista, ator, compositor, escritor e pintor, nasceu em Maranguape, CE, em 12 de abril de 1931. Mudou-se para o Rio de Janeiro quando tinha oito anos. Inicou na Rádio Guanabara, onde exercia várias funções: radioator, comentarista de futebol, etc. Participou do programa Papel carbono de Renato Murce. Trabalhou, nos anos cinqüenta, nas rádios Mayrink Veiga, Clube de Pernambuco, Clube do Brasil. Nas chanchadas da década de 50, Chico passou a escrever diálogos e eventualmente ator em filmes da Atlântida Cinematográfica.

Na TV Rio estreou em 1957 o Noite de Gala. Em 1959 estreou o programa Só tem tantã, lançado por Castro Barbosa, mais tarde chamado de Chico Anísio Show. Além de escrever e interpretar seus próprios textos no rádio, televisão e cinema, sempre com humor fino e inteligente, Chico se aventurou com relativo destaque pelo jornalismo esportivo, teatro, literatura e pintura, além de ter composto e gravado algumas canções:

Hino ao Músico, (Nanci Wanderley, Chico Anísio e Chocolate), foi prefixo do seu programa Chico Anísio Show, nas TV Excelsior, TV Rio e TV Globo e nos espetáculos teatrais, como o do Ginástico Português, no Rio em 1974, acompanhado sempre do violonista brasileiro Manuel da Conceição – O mão de vaca;

Rancho da Praça XI, Chico Anísio e João Roberto Kelly gravado pela cantora Dalva de Oliveira. A música fez grande sucesso no carnaval do IV Centenário do Rio de Janeiro, isto é, fevereiro de 1965;

Vários sucessos com seu parceiro Arnaud Rodrigues, gravados em discos e usados no quadro de Chico City e Baiano e os Novos Caetanos.

Desde 1968 se encontra ligado a Rede Globo, onde conseguiu o status de estrela num “cast” que contava com os artistas mais famosos do Brasil; e graças também a relação de mútua admiração e respeito que estabeleceu com o executivo Boni. Após a saída de Boni da Globo nos anos 90, Chico perdeu paulatinamente espaço na programação, situação agravada em 1996 por um acidente em que fraturou a mandíbula.

Em 2005 fez uma participação no Sítio do Picapau Amarelo, onde interpretava o Doutor Saraiva, recentemente participou da novela Sinhá Moça, na Rede Globo.

É pai dos atores Lug de Paula, do casamento com a atriz Nanci Wanderley, Nizo Neto e Ricardo, da união como Rose Rondelli, André Lucas, que é filho adotivo, Cícero, da união com ex-frenética Regina Chaves e Bruno Mazzeo, do casamento com a atriz Alcione Mazzeo. Também teve mais dois filhos com a ex-ministra Zélia Cardoso de Mello, Rodrigo e Vitória. É irmão da também atriz Lupe Gigliotti com quem já contracenou em vários trabalhos na TV.

Possui uma galeria de tipos cômicos com cerca de 208 personagens, entre elas:

* Alberto Roberto, o canastrão (“Não garavo”) e apresentador de tralk show (talk show).
* Apolo, que era casado com uma ninfomaníaca (“Eu ainda morro disso”)
* Azambuja, o malandro carioca (“Tou contigo e não abro…)
* Baiano, sátira de Caetano Veloso
* Bandeira, um taxista (“Gente finíssima!”)
* Beto Carneiro, o vampiro brasileiro (“Vampiro brasileiro – cospe no chão – Não crê neu, papudo, se finou-se. Minha vingança será malígrina”)
* Bozó, o funcionário da Rede Globo (“Eu trabalho na Globo, tá legal?!”)
* Brazuca, um patriota
* Bruce Kane, ator de cinema
* Cascata & Cascatinha, dupla de palhaços interpretada por Chico e Castrinho. Este humorista fez tanto sucesso com o personagem Cascatinha e o seu bordão (“Meu pai-pai”), que apresentou o programa Balão Mágico e quadros próprios em outros programas humorísticos, nesse papel.
* Celso Garcia
* Chiquitín, boneco de ventríloquo
* Coalhada, jogador de futebol (“Coalhada é isso, Coalhada é aquilo…”)
* Coronel Limoeiro, homem poderoso que está sempre “de olho” na mulher, a bela Maria Teresa * Divino (“Divino sabe, Divino diz”)
* Gastão Franco, um pão-duro
* Haroldo Hétero, o homossexual de passado “alegre” que hoje tenta “se converter” (“Eu sou hétero”)
* Jovem, revoltado com a vida (“Vai ficar com cara de bundão, ó, ó…”)
* Justo Veríssimo, o político corrupto que odiava pobres (“Eu quero que pobre se exploda”)
* Lingüinha, personagem principal de um quadro curto, exibido diariamente pela TV Globo. Da sua família surgiriam Lingueta, Lingote (que reapareceu em Chico City) etc.
* Lingote, o hippie velhote que vivia drogado (seu bordão era “Bateu pra tu?”).
* Lobo Filho, o apresentador de telejornal
* Lord Black, funkeiro que sempre se dava mal com a namorada
* Mariano, que tem uma relação ótima com o filho Reginaldo, homossexual como ele (“Pode?)
* Marmo Carrara, o policial com o bordão “São esses meus olhos cor de mel. Mas por que eu? Logo eu com esta cara de macho”
* Meinha, que usa uma meia-calça na cabeça e despreza as possibilidades de ascensão
* Nazareno, o machista que oprime a mulher muito feia e se encantava com a empregada (“Calada”, dizia para a mulher)
* Neyde Taubaté, apresentadora de televisão
* Nicanor, o homem do calo.

Fonte: É baseada, principalmente, na Wikipédia. Vide Baiano e os Novos Caetanos.

Posted in escritor, humorista | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

Canção para inglês ver

Posted by everbc em 13/08/2007

Nenhuma antologia da canção humorística brasileira pode ignorar “Canção Para Inglês Ver”, uma obra-prima no gênero. Espirituosa, crítica, brincalhona, esta composição é uma sátira ao uso de palavras e expressões estrangeiras que se tornou moda entre nós, quando da chegada do cinema falado.
Empregando o recurso do nonsense, Lamartine Babo construiu os versos mais absurdos, através dos quais rimou “I love you” com “Itapiru”; “independence day” com “me estrepei” e outros disparates. Tudo isso sobre uma bela melodia, ao melhor estilo dos foxes americanos.
Gravada pelo autor, “Canção Para Inglês Ver” fez sucesso no país inteiro e ainda estimulou outros compositores a desenvolverem peças sobre o tema, como “Não tem tradução” (de Noel Rosa) e “Good bye” (de Assis Valente).

Canção para inglês ver (fox-humorístico, 1931)- Lamartine Baboclique para ouvir amostra da música

Ai loviu forguétiscleine meini itapirú
forguetifaive anda u dai xeu
no bonde Silva Manuel
ai loviu tchu revi istiven via catchumbai
independence la do Paraguai estudibeiquer Jaceguai
ou ies mai gless salada de alface flay tox mail til
oh istende oiu ou ié forguet not mi
ai Jesus abacaxi uisqui of xuxu
malacacheta independancin dei
istrit flexi me estrepei
delícias de inhame reclaime de andaime
mon Paris jet’aime sorvete de creme
ou ies mai veri gudi naiti
dubli faiti isso parece uma canção do oeste
coisas horríveis lá do faroeste
do Tomas Veiga com manteiga
mai sanduíche eu nunca fui Paulo Iscrish
meu nome é Laski Enen Claudi Jony Felipe Canal
laiti endepauer companhia limitada
aiu Zé Boi Iscoti avequi Boi Zebu
Lawrence Olivier com feijão tchu tchu
trem de cozinha não é trem azul

Posted in humorista, lamartine, músicas 1931-40 | 1 Comment »