recordando a MPB

História da MPB com biografias, cronologia dos sucessos e músicas cifradas.

  • Postagens

    maio 2017
    S T Q Q S S D
    « maio    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Arquivos

  • Cifrantiga Fotos

    Carmélia Alves, a Rainha do Baião

    Adelaide Chiozzo provoca desastres ...

    Ângela Maria, a Revelação de 1952

    Zé da Conceição

    Minha palhoça

    Juracy

    Gago apaixonado

    Faustina

    Conversa de botequim

    Sobre as músicas que não tocam mais ...

    Mais fotos

Archive for the ‘mario pinheiro’ Category

>Fado Liró

Posted by everbc em 03/04/2006

>

Mário Pinheiro

Fado Liró (fado, 1908) – Nicolino Milano

Guitarra, guitarra geme / Que o meu peito todo treme
Ao cantar ao meu amor / Passemos a vida unidos
A soltar nossos gemidos / Pra acalmar a nossa dor

Mas se a vida são dois dias / Procuremos alegrias
Gozar a vida é mister / Desprezamos a africana
Se ela nos é desumana / Busquemos outra mulher

http://res0.esnips.com/escentral/images/widgets/flash/guitar_test.swf
Mário Pinheiro

Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!

Entre as verdes ramarias / Ouvem-se belas poesias
Entre os verdes do choupal / São versos cheios de dores
De quem sofre por amores / De quem sente um grande mal

Posted in fado, mario pinheiro, nicolino milano | Leave a Comment »

>Talento e formosura

Posted by everbc em 22/03/2006

>

A obra mais famosa de Edmundo Otávio Ferreira, foi o chótis Talento e formosura, que recebeu versos de Catulo da Paixão Cearense, sendo gravado, entre outros, pela Banda da Casa Edson e pela Banda do Corpo de Bombeiros, na Odeon; pelos cantores João Barros e Mário Pinheiro, já com versos de Catulo, na Victor Record e pelo Grupo Lulu o Cavaquinho, na Columbia, todas no início do século XX.

http://res0.esnips.com/escentral/images/widgets/flash/guitar_test.swf
Vicente Celestino

Em 1977, Talento e formosura foi regravada por Paulo Tapajós na série “Cantares brasileiros – vol. 1 – a modinha”, distribuído pela Companhia Internacional de Seguros como brinde de Natal.

Talento e Formosura (modinha, 1905) – Edmundo Otávio Ferreira e Catulo da Paixão Cearense

Tu podes bem / Guardar os dons da formosura / Que o tempo um dia / Há de implacável trucidar / Tu podes bem / Viver ufana da ventura / Que a natureza / Cegamente quis te dar

Prossegue embora / Em flóreas sendas sempre ovante / De glórias cheia / No teu sólio triunfante / Que antes que a morte / Vibre em ti funéreo golpe seu / A natureza irá roubando / O que te deu

E quanto a mim / Irei cantando o meu ideal de amor / Que é sempre novo / No viçor da primavera / Na lira austera / Em que o Senhor me fez tão destro / Será meu estro / Só do que for imortal

Terei mais glória / Em conquistar com sentimento / Pensantes almas / De varões de alto saber / E com amor / E com pujança de talento / Fazer um bardo / Ternas lágrimas verter

Isto é mais nobre / É mais sublime e edificante / Do que vencer / Um coração ignorante / Porque a beleza é só matéria / E nada mais traduz / Mas o talento é só espírito / E só luz

Descantarei na minha lira / As obras-primas do Criador / O mago olor da flor / Desabrochando à luz do luar / O incenso d’água / Que nos olhos faz / A mágoa rutilar / Nuns olhos onde o amor / Tem seu altar

E o verde mar que se debruça / N’alva areia a espumejar / E a noite que soluça / E faz a lua soluçar / E a Estrela Dalva / E a Estrela Vésper languescente / Bastam somente / Para os bardos inspirar

Mas quando a morte / Conduzir-te à sepultura / O teu supremo orgulho / Em pó reduzirá / E após a morte / Profanar-te a formosura / Dos teus encantos / Mais ninguém se lembrará

Mas quando Deus / Fechar meus olhos sonhadores / Serei lembrado / Pelos bardos trovadores / Que os versos meus hão de na lira / Em magos tons gemer / Eu morto embora / Nas canções hei de viver

Fonte: Cifrantiga

Posted in catulo da p cearense, edmundo o ferreira, mario pinheiro | Leave a Comment »

>Os olhos dela

Posted by everbc em 18/03/2006

>

Mário Pinheiro

Os olhos dela (chótis, 1906) – Catulo da Paixão Cearense e Irineu de Almeida

Eu sou capaz de confessar / Aos pés de Deus / Que eu nunca vi em mundo algum / Uns olhos como os teus! / Eu não sei mesmo / Como os hei de comparar, não sei / Eu já tentei cantar / O teu divino olhar

http://res0.esnips.com/escentral/images/widgets/flash/guitar_test.swf
Mário Pinheiro

Depois de tanto versejar / Debalde em vão / Depois de tanto apoquentar / A minha inspiração / Cheguei à triste conclusão / De que eu só sei sofrer / E o que teus olhos são / Não sei dizer

Deixa-te estar que quando eu morrer / Irei verter os prantos meus nos céus / Hei de contar em segredo a Deus / As travessuras desses olhos teus / Hei de mostrar ao Senhor Jesus / Ao Pai nos céus, apiedado / Meu coração crucificado / Nos braços teus de luz

Os olhos teus são lágrimas do amor / Os olhos teus são dois suspiros de uma flor / São dois soluços d’alma / São dois cupidos de poesia / Que sinfonia tem o teu olhar / Que até às vezes já nos faz chorar! / Ai, quem me dera me apagar assim / À luz do teu olhar!

Os olhos teus / Quando nos querem castigar / Parecem dois astros de gelo / Que nos vêm gelar / Mas quando querem nos ferir / Direito o coração / Eu não te digo não / O que os teus olhos são

Pois quando o mundo quiser / De vez findar / Basta acendê-lo com um raio / Desse teu olhar / Que os olhos todos das mulheres / Que mais lindas são / Dos olhos teus / Não têm a irradiação

Posted in catulo da p cearense, irineu de almeida, mario pinheiro | Leave a Comment »